PRIMO DE AÉCIO É ACUSADO DE VIOLAR USO DE TORNOZELEIRA

18 de fev de 2018

O empresário Frederico Pacheco de Medeiros, primo do senador Aécio Neves (PSDB-MG), violou por duas vezes a área de circulação permitida pela tornozeleira eletrônica antes de retirá-la. “Fred” recebeu duas advertências da Secretaria de Administração Penitenciária de Minas Gerais, órgão responsável por monitorar o uso do equipamento, em outubro e novembro do ano passado. No mês seguinte, o ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, liberou o empresário da tornozeleira. Em maio do ano passado, durante a Operação Patmos, Frederico Pacheco foi preso preventivamente por suspeita de envolvimento no pagamento de suposta propina de R$ 2 milhões do grupo J&F ao senador Aécio Neves. “Fred” foi gravado por executivos do grupo recebendo R$ 500 mil na sede da J&F em São Paulo. Em junho, a Primeira Turma do Supremo converteu a custódia em domiciliar com medidas cautelares, como a proibição de se comunicar com os demais investigados, proibição de se ausentar sem autorização judicial, entrega dos passaportes e a utilização da tornozeleira. A decisão do ministro Marco Aurélio foi tomada em 2 de dezembro. O registro da primeira violação chegou ao gabinete do ministro, em Brasília, em 6 de novembro. O segundo, em 14 de dezembro. A documentação que compilou as infrações do empresário foi anexada a um processo que corre perante o Supremo em 6 de fevereiro deste ano. Leia mais no Estadão.

  • Compartilhe:

Publicidade