PARA MINISTRO, AGENTES PÚBLICOS DA LAVA JATO ERAM ”TRANSGRESSORES DA LEI”

05 de fev de 2021

Favorável ao fim da operação Lava Jato, decretado nesta semana, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, fez novas críticas ao ex-ministro da Segurança Pública e ex-juiz federal Sergio Moro. Moro foi titular da 13ª Vara Federal de Curitiba e, no cargo, juiz responsável pelo julgamento dos processos da operação em primeira instância.

Ele deixou o posto para ser ministro da Justiça no governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com quem rompeu no ano passado. Mas antes disso, o site The Intercept Brasil fez uma série de matérias, em parceria com outros veículos, tendo como fonte mensagens trocadas entre Moro e os procuradores da força-tarefa da operação. As conversas – confirmadas pela operação Spoofing, que mais tarde pretendeu hackers que invadiram celulares de autoridades – mostravam a influência que Moro exercia no grupo do Ministério Público Federal (MPF).

Segundo o portal UOL, o ministro Gilmar Mendes citou essas mensagens para dizer que a Lava Jato até “tem méritos de combater corrupção”, mas estava passando por um processo de “descolamento institucional”. “Todos os fatos revelados indicam que a Lava Jato estava em outra estratosfera, sequer pertencia à Procuradoria-Geral da República. Você não via ninguém ali. Não via presença de um corregedor”, disse o magistrado do STF à CNN Brasil.

“Quem é o chefe da Lava Jato, segundo os diálogos vazados? É o Moro, a quem chamam de russo. Dizem que seguem código penal da Rússia. É um descolamento institucional”, acrescentou.

Na avaliação de Mendes, os agentes públicos da Lava Jato eram “transgressores da lei”. Portanto, a inclusão da operação no Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) seria a solução ideal para acabar com essa ruptura.

  • Compartilhe:

Publicidade