O NOVO CÓDIGO ME FEZ LEMBRAR O TEMPO DE BALTAZARINO E ONILDO ANDRADE

26 de abr de 2018

Roberto de Sena

Mural do Oeste

 

Na sessão da Câmara Municipal de Barreiras, nesta quarta-feira,25, voltei a cerca de 30 anos atrás, quando iniciava minha vida na área de comunicação. Barreiras era uma cidade ainda pequena e não tinha a relevância que tem hoje no plano estadual.

O prefeito era Baltazarino. O presidente da Câmara era Onildo Andrade. Ambos não estão mais entre nós mas deixaram um legado para a história da cidade e da região. Baltazarino é considerado até hoje um dos melhores – ou talvez o melhor prefeito de Barreiras. Onildo também marcou época sendo por várias vezes presidente da Casa desempenhando com muita competência as suas funções no parlamento.

Conta-se que Baltazarino chamou Onildo na Prefeitura e ordenou – aquele projeto é para ser aprovado de qualquer jeito. Dê seus pulos. Se vire.

Onildo argumentou que os vereadores estavam contra e que ia ser difícil mas que iria dar um jeito. Não podia falhar com seu amigo e correligionário Baltazarino.

Na hora da sessão Onildo – que era inteligentíssimo e um dos políticos mas habilidosos que nossa região já produziu – mandou servir chá de maracujá e peta. O chá tava uma delícia. Os vereadores adoraram o chá, tomaram um copo, dois copos, três copos e começaram a cochilar no plenário.

Nisso Onildo, com sua extrema capacidade, foi colocando em votação as indicações sem importância.

  • Indicação do calçamento da rua tal, quem for a favor permaneça sentado, quem for conta se levante. Os vereadores, cochilando sob efeito do chá de maracujá, permaneceram sentados.
  • Tá aprovado por unanimidade.
  • Lá no meio, quando várias indicações já haviam sido aprovadas, Onildo botou em votação o projeto polêmico pedido por Baltazarino. Quem for a contra se levante quem for a favor permaneça sentado.
  • Os vereadores cochilando não perceberam a jogada e ficaram todos sentados. Onildo então anunciou. Tá aprovado por unanimidade o projeto número tal de autoria do prefeito Baltazarino Andrade. Os vereadores quando ouviram aquilo, despertaram de repente, espernearam, gritaram, se revoltaram.
  • Onildo nem se abalou e com o Regimento Interno na mão, só fez dizer o seguinte: Eu seguir o Regimento Interno da Casa, botei o projeto em votação, vocês votaram por unanimidade. O que é que eu posso fazer? A culpa não é minha. É lei. E lei é lei. Tá aprovado por unanimidade. Registre-se em ata e remeta urgente para ser sancionado pelo prefeito.
  • Deu a sessão por encerrada e foi, junto com Aguinaldo Pereira (o pai) e Zé Xique-Xique comemorar na casa de Baltazarino.
  • Jorge Figueiredo era vereador naquela época, tava naquela sessão e diz que até hoje fica abestalhado com a inteligência do nosso querido e saudoso Onildo Andrade. Um gênio da política.
  • Compartilhe:

Publicidade