DANI BUMBUM INJETAVA SILICONE DE CARRO EM CLIENTES

19 de out de 2018

Procedimento custava R$ 3,5 mil por litro

Reprodução / GloboPlay

A suspeita de ter realizado preenchimento nos glúteos e nos lábios da microempresária Fernanda do Carmo de Assis, de 29 anos, que morreu no último dia 4, nove dias depois de fazer o procedimento, injetava silicone industrial nas clientes, ao invés de metacril, e cobrava R$ 3,5 mil, segundo ex-cliente. Ainda de acordo com ela, Danielle Cândido Cardoso, conhecida como Dani Bumbum ou Dani Sereia, não atuava sozinha.

A informação foi fornecida por uma das vítimas, que não quis se identificar. A dona de casa, de 39 anos, injetou um litro e meio do produto nos glúteos em 2016.

Outra vítima também confirmou em depoimento que Dani Bumbum atuava com uma auxiliar. Nos dois casos, o procedimento foi feito nas casas das clientes.

“A Danielle foi duas vezes na minha casa, fazer o procedimento. Primeiro, coloquei um litro e, após uma semana, mais meio litro. Numa dessas vezes, uma menina ajudou a Dani. Ela pegava as seringas e puxava o líquido. Passava em seguida para Danielle, que injetava o produto. Em nenhum momento ela falou que era silicone industrial. Dizia que era metacril. Se ela tivesse falado a verdade não faria. Não ia colocar no meu corpo um produto usado no pneu de um carro. A gente fica revoltada. Estou com sequelas. Além da dor, não consigo ficar muito tempo em pé. Espero que ela pague na Justiça pelo que fez. Eu ainda estou viva, mas a Fernanda morreu”, contou a dona de casa.

Após a prisão temporária de Danielle Cândido Cardoso ter sido decretada pela Justiça, ela se apresentou à 31ª DP, na terça-feira (16), acompanhada de um advogado. Pouco depois, Dani Bumbum passou mal e foi encaminhada para a UPA de Ricardo de Albuquerque. Já nessa quarta-feira (17), ela foi transferida para a Cadeia Pública José Frederico Marques, na Zona Norte do Rio. Nos próximos dias, ela deve ser transferida para outra unidade prisional.

 

Fernanda de Assis – Reprodução/ Redes sociais

 

Danielle vai responder por homicídio, por conta da morte de Fernanda, e exercício ilegal da medicina. Se condenada, ela pode pegar até 30 anos de prisão.

De acordo com o ‘Extra’, três mulheres que fizeram preenchimento nos glúteos com Dani Bumbum já procuraram a polícia. Uma das testemunhas estimou que pelo menos 40 mulheres se submeteram a procedimentos feitos por Danielle.

A polícia também investiga se a profissional usou uma espécie de supercola para evitar o vazamento da substância que foi aplicada no corpo de Fernanda. A comprovação será feita com o resultado do laudo cadavérico.

 

Com informações de Notícias ao Minuto

  • Compartilhe:

Publicidade