MENINO VIVEU COM FETO DE IRMÃO GÊMEO NO ESTÔMAGO DURANTE 15 ANOS, ENTENDA CASO RARO

10 de jan de 2018

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Em um caso raro no meio médico, um jovem abrigou o feto de seu irmão gêmeo dentro do corpo por 15 anos. Ele precisou passar por uma cirurgia para que a “massa” localizada em seu abdômen fosse retirada.

Conhecida como “gêmeo parasita” ou fetus-in-fetu, a condição se dá por uma má-formação durante a concepção dos bebês. É como se eles fossem siameses, mas um dos fetos se forma dentro do corpo do outro.

Adolescente com feto dentro do abdômen

O caso aconteceu no Hospital Sultan Abdul Halim Hospital, na Malásia, e foi publicado no jornal científico British Medical Journal.

Segundo a publicação, o menino de 15 anos apresentavam uma massa localizada no abdômen e reclamava de dores na região desde a infância.

Características do feto

O feto que se hospedou em seu corpo era alimentado por uma rede vascular, o que aumentou o nível de complexidade da cirurgia, e já apresentava crânio, vértebras, ossos, ainda que com deformações, cabelo, órgão genital masculino, olhos e pele.

Segundo os médicos, o bebê não-viável pesava 1,6 kg, não tinha boca, nem placenta ou cordão umbilical.

feto dna formacao 0118 400x800                                                     © bluebay/Shutterstock feto dna formacao 0118 400×800

Como se forma?

De acordo com o artigo científico, a má-formação pode acontecer quando um gêmeo monozigótico (idêntico ao irmão) se incorpora ao corpo do outro feto devido a uma falha divisão dos zigotos.

Ele, então, se torna parasita e é alimentado pelo irmão. O caso só é reconhecido como fetus-in-fetu quando é possível identificar coluna vertebral; se não, ele é identificado como um “teratoma”, tumor formado por uma mistura heterogênea de tecidos (epitelial, ósseo, muscular, cartilaginoso).

A formação geralmente acontece no abdômen, mas também pode se desenvolver em outras partes do corpo do hospedeiro como cabeça, boca e escroto (bolsa que contém os testículos). Em alguns casos, é possível identificar o fetus-in-fetu ainda na gravidez, em exames pré-natal.

Cirurgia para retirada do feto

A identificação do fetus-in-fetu pode ser feita com um raio-X, tomografia computadorizada, ressonância magnética ou ultrassom. Para retirar o feto, o paciente precisou passar por uma laparotomia, cirurgia na cavidade abdominal. O bebê foi entregue à família para a realização de um ritual funerário e o adolescente passa bem, segundo a publicação.

 

Via: MSN

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
  • Compartilhe:

Publicidade