TRF-4 NEGA PEDIDO DA DEFESA E DECIDE MANTER EDUARDO CUNHA COMO APENADO

18 de out de 2018

 

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negou, nesta quarta-feira (17), o pedido de reconsideração da decisão que indeferiu a liminar que pretendia mudar a condição do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, de apenado para preso preventivo.

De acordo com o TRF-4, no julgamento da apelação de Cunha pelo Tribunal, o qual foi condenado por unanimidade a 14 anos e seis meses de reclusão em novembro do ano passado, houve a determinação de execução provisória da pena em segundo grau, tornando o réu apenado, e não mais preso preventivo.

Contra a decisão da apelação, a defesa interpôs embargos infringentes e de nulidade. O recurso não foi admitido, pois segundo o relator, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, não houve divergência na decisão condenatória. A defesa então, impetrou habeas corpus solicitando a alteração do status de Cunha, de apenado para preso preventivo, que foi negado pelo relator em liminar.

Na decisão desta quarta, a 8ª Turma do TRF-4 manteve o indeferimento da liminar negada pelo relator,  entendendo que, enquanto não houver decisão da 4ª Seção, não pode haver alteração na condição de apenado para preso preventivo.

BAHIA NOTÍCIAS

  • Compartilhe:

Publicidade