SERGIO CABRAL TEVE CRISE DE CHORO E IMPLOROU PARA NÃO SER TRANSFERIDO

24 de jan de 2018

O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, também foi questionado pelo ministro da Justiça, Torquato Jardim, sobre o uso de algemas nos pulsos e correntes nos pés do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral quando ele foi transferido do Rio a Curitiba. Ouviu as explicações, mas considera que o caso não está encerrado. A informação foi divulgada pela colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha.

Segundo a publicação, o ministro achou as explicações genéricas. “O presidente [Michel] Temer estava aborrecido e eu também fiquei surpreso”, diz Jardim. “Como advogados, sabemos que o uso de algemas, de acordo com súmula do STF [Supremo Tribunal Federal], só pode ocorrer com justificativas objetivas como risco de fuga ou resistência. Nada disso me foi descrito”, diz.

Ainda segundo o jornal, antes de qualquer providência, no entanto, ele vai esperar que a PF dê explicações detalhadas à Justiça, que pediu ao órgão esclarecimentos sobre o episódio.

De acordo com a publicação, Jardim recebeu manifestações de “surpresa” de advogados e magistrados de todo o país. Um dos que enviaram mensagens foi o ministro Gilmar Mendes, do STF, que participou da determinação que proíbe o uso injustificado de algemas. A coluna revela também que nos bastidores do governo chegou a informação de que Cabral teve uma crise de choro e chegou a implorar para não ser transferido do Rio. O ministro diz que desconhece o que ocorreu no dia.

 

Via: Bocão News

  • Compartilhe:

Publicidade