PSOL BARREIRAS REPUDIA VIOLÊNCIA POLICIAL E RACISMO INSTITUCIONAL CONTRA VICTOR SENA, SECRETÁRIO GERAL DO PARTIDO

23 de abr de 2019

 

Na manhã do domingo de Páscoa, 21 de abril de 2019, por volta de 10 horas da manhã, o Secretário Geral do Diretório Municipal do PSOL Barreiras, Victor Sena, foi vitima de violência policial enquanto passava de bicicleta no Cais da cidade.

Os soldados da PM Wellington Nascimento e Valério dos Santos, ao verem um jovem negro e sujo de terra, por ter estado em um jogo de futebol, o mandaram parar e se posicionar para abordagem policial. Com as mãos na cabeça e com as pernas abertas, Victor Sena foi covardemente agredido pelas costas pelo PM Wellington Nascimento, através de chute, torções no braço direito e socos no lado direito do corpo. Enquanto tentava argumentar e chamar atenção do outro soldado, era apenas repelido pelo SD PM Valério dos Santos, que gritava “cala a boca, que você só está se complicando!”.

O nosso companheiro foi abordado por dois policiais que sequer pediram a sua identidade, que não encontraram nada ilícito, mas que desde o início da abordagem demonstraram truculência e abusaram das agressões verbais. O jovem de 25 anos passou cerca de 30 minutos submetido a ficar sentado no chão, aguardando uma viatura que coubesse a bicicleta, o que fez juntar três viaturas e oito policiais ao seu redor enquanto dezenas de transeuntes testemunhavam o ocorrido.

Encaminhado à delegacia, ficou por cerca de cinco horas, tendo sido ridicularizado pelo Delegado de plantão, que reconhecendo sua condição de vítima disse ter como dever transformá-lo em acusado por conta da existência de uma diligência da Polícia Militar. Enquadrando o militante do PSOL no crime de “desobediência”, conforme Termo Circunstanciado de Ocorrência.

Nós, do Partido Socialismo e Liberdade, sabemos que a conduta dos dois PMs e do Delegado não são fatos isolados, muito pelo contrário, esta tem sido, historicamente, a conduta da Polícia Militar e Civil frente a sujeitos considerados com perfil de criminosos – pobres e negros: é o racismo institucional. O ocorrido com nosso companheiro Victor Sena não foi algo pontual, mas é um relato muito comum de jovens – mulheres e homens em Barreiras, que não deve ser tolerado.

Manifestamos a nossa solidariedade ao companheiro vítima da violência por parte de um segmento de segurança pública, bem como compartilhamos da indignação pela situação vexatória ao qual foi submetido. O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL-Barreiras) não irá se limitar a lamentar mais um caso de violência policial em Barreiras e ao trazer o fato à tona, exigiremos medidas que façam o Estado garantir a dignidade da pessoa humana em nosso município.

 

Barreiras, 22 de abril de 2019.

 

  • Compartilhe:

Publicidade