O MEU AMIGO TARZAN

22 de jan de 2020

Cicero Nascimento Magalhães – Eng.Agrônomo – (1)

Miltinho, era o meu melhor amigo de infância em Bom Jesus da Lapa, sobretudo, de aventuras: caçadas de marrecas e patos, nas ilhas em dias após ou durante as tempestades, extremamente comuns em quase todas as tardes nos meses de trovoadas; pescarias, nadar no Rio São Francisco, além de escalar o morro e paquerar as romeiras.

Não contava com sua presença no que dizia respeito ao futebol; nas peladas na praça da bandeira, na rua Cel. Avelino Bastos e já num estágio mais avançado, digamos assim, terceira divisão no campo da várzea e posteriormente, na primeira divisão, ou seja, no São Vicente, Ele já morava em outra dimensão.

Escalávamos o morro sem nenhum equipamento, descalço e com as mãos sem nenhuma proteção. Costumava chamá-lo de Tarzan.

Numa dessas aventuras de escalar o morro, subimos por detrás da torre e chegamos no ponto mais alto, localizado acima da abertura da gruta do Bom Jesus. Enquanto pulávamos de uma fenda para o outro lado, o meu amigo escorregou.

O resultado foi trágico! Ele caiu de uma altura de aproximadamente 80 m. Olhei para baixo e só vi uma grande mancha de sangue!

Para se ter uma ideia do estrago, os pedaços do corpo foram transportados num lençol dentro de uma rede.

Este fato aconteceu na Lapa o ano não tenho certeza, creio ter sido no final da década de 1950 ou inicio dos anos sessenta, … e é um acontecimento que ficou gravado em minha memória.

Tive problemas emocionais por muito tempo e o pior de tudo, o pai dele Sr. Milton passou a beber muito e quando me encontrava começava a chorar. E ai, o choro era conjunto.

O nosso inesquecível amigo, era campeão na arte de nadar, mergulhar e sobretudo pular do cais ou da parte lateral da gruta, numa sequência de mortais no ar, antes de atingir ás águas do Rio São Francisco; nas grandes cheias do rio.

Bem perto do local, onde seus saltos encantavam todos que frequentavam á esplanada da gruta no final da tarde para apreciar a beleza do pôr-do-sol, era moda da juventude Lapense, principalmente, dos casais de namorados. Justamente nesse local conhecido como tamarindo seu espírito ou sua alma partiu para a pátria celestial…

Miltinho, ou melhor meu amigo Tarzan era inigualável no nosso grupo de amigos, na técnica de escalar paredes de rochas , em determinados locais do morro da Lapa, onde um vacilo se transformaria em tragédia, no entanto, o local do acidente, em nossa escala de dificuldades de acesso, não se colocava entre os primeiros. Todavia, um pequeno vacilo ou excesso de confiança traçou seu destino e lhe custou à vida…

Para nós , seus amigos restou a saudade e a lembrança de uma partida lamentável e sem previsão…

1 – Sobrinho do Monsenhor Armindo Oliveira Magalhães (➕)
  • Compartilhe:

Publicidade