O DIA EM QUE O JEGUE FOI MULTADO

16 de dez de 2017

 

 

 

 

 

Roberto de Sena

Mural do Oeste

O cidadão disse que vinha tranquilamente, montado em seu jegue, quando, de repente, destampou numa blitz. O representante da lei fez um sinal para que ele encostasse o jegue.

  • Bom dia cidadão, documento do veículo por favor?
  • Documento? E jegue tem documento? Nunca vi falar?
  • Deixe de gracinha rapaz, tô falando sério. Ande logo com isso. Documentos do veículo, rápido.
  • Mas amigo isso não é um veículo, é um jegue?
  • Isso eu tô vendo.  Mas ele não lhe transporta de um lugar para outro?
  • Sim.
  • Então? Seguindo o raciocínio lógico, se ele lhe transporte, ele é seu meio de transporte, correto?
  • Correto
  • Se é meio de transporte tem que ter documento. É o que diz a lei.
  • E onde é que eu tiro documento do jegue? No cartório? No Detran? Me digue ai?
  • Isso não é comigo. Isso é com o senhor que é dono do veículo. Meu papel aqui é exigir a documentação correta. E vamos logos com isso. Me apresenta o DUT do veículo, o número da placa, o IPVA devidamente quitado e sua carteira de habilitação.
  • Mas amigo eu nunca ouvir dizer que jegue pague IPVA, que tenha DUT, que tenha placa. Alias, se mal lhe pergunte, onde é que eu tiro carteira de habilitação de motorista de jegue? Tem alguma autoescola que emita esse documento?
  • Isso não é comigo. Meu papel aqui é cumprir a lei.
  • Não tenho nenhum documentos desses que você pediu.
  • Então o senhor infringiu o código de trânsito brasileiro e será multado e o veículo será apreendido e recolhido para o pátio legal, 50 reais a diária.Assine aqui a ocorrência por favor.
  • O dono do jegue ainda tentou argumentar, mas desistiu quando o representante da lei lhe disse que a ordem era não perdoar nem pai nem mãe. No dia seguinte o cidadão foi a Câmara pedir a um vereador que fizesse um discurso denunciando que multaram até o seu jegue. O vereador achou que o camarada tava ficando doido e preferiu não tocar no assunto. Para tirar o jegue do pátio legal o dono do “veiculo” aconselhado por uns amigos, levou três jumentas no cio e botou próximo ao muro do pátio. O jegue quando sentiu o cheiro das fêmeas parece ter enlouquecido, deu coices para todos os lados, amassou carros, quebrou faróis de uns, retrovisores de outros, acertou um coice nas costelas de um funcionário que tentou conter o animal, o pobre  foi parar no Hospital do Oeste em estado desesperador. O jegue deu um pinote, saltou o muro e ganhou a liberdade. Depois dessa a ordem é não multar jegue. O bicho dá um prejuízo miserável.
  • Compartilhe:

Publicidade