EX-ASSESSOR DE FLÁVIO BOLSONARO DEPÕE NESTA 6ª FEIRA AO MP DO RIO

21 de dez de 2018

Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) citado em 1 relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) por movimentação suspeita de dinheiro na conta bancária, deve depor às 14h desta 6ª feira (21.dez.2018) ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro).

O depoimento deveria ter sido realizado na última 4ª feira (19.dez.2018), mas Fabrício Queiroz não compareceu.

Segundo o MP-RJ, os advogados de defesa de Fabrício comunicaram que “não tiveram tempo hábil para analisar os autos da investigação e relataram que seu cliente teve ‘inesperada crise de saúde’ e estaria em atendimento para a realização de exames médicos de urgência, acompanhado de sua família”.

No mesmo dia, o procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem remarcou o depoimento.

O ex-assessor teria movimentado R$ 1,2 milhão, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017. Uma das transações, 1 cheque de R$ 24.000, foi destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Em seu depoimento, o ex-assessor –que ainda não se pronunciou– deve alegar, segundo apurou o Poder360, que comercializava bugigangas importadas sem nota fiscal e que atuava como agiota, tendo como clientes funcionários da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

O jornal O Estado de S.Paulo revelou o caso em 6 de dezembro. O relatório do Coaf é fruto do desdobramento da operação Furna da Onça, ligada à Lava Jato no Rio, que prendeu 10 deputados estaduais em 8 de novembro.

Flávio Bolsonaro disse desconhecer as irregularidades. Ele, que fazia publicações quase que diárias no Twitter, não postou na rede social após o dia 8 de dezembro. Sua última publicação foi sobre o caso:

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse que o dinheiro foi parte do pagamento de 1 empréstimo que havia feito a Queiroz. O valor teria sido para a compra de 1 automóvel.

Fabrício Queiroz era funcionário de Flávio Bolsonaro na Alerj. Há coincidências de depósitos e retiradas de dinheiro nas datas em que outros funcionários da Assembleia recebiam salários ou poucos dias depois.

 

Via: Poder 360

 

 

  • Compartilhe:

Publicidade