EUA E BRASIL RECONHECEM OPOSITOR JUAN GUAIDÓ COMO PRESIDENTE INTERINO DA VENEZUELA

23 de jan de 2019

Foto: AP Photo/Fernando Llano – O líder opositor venezuelnao, Juan Guaído, discursa em Caracas

O líder opositor venezuelano Juan Guaidó declarou-se presidente interino da Venezuela nesta quarta-feira, 23, durante as manifestações pela renúncia do presidente Nicolás Maduro no país. Minutos após o anúncio, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu Guaidó como presidente de facto do país e convocou líderes latino-americanos a fazerem o mesmo. Pouco depois, o Brasil, por meio de nota, endossou o líder opositor como presidente interino do país. Fontes do governo americano disseram à agência Reuters que ” se o regime venezuelano decidir causar danos a qualquer membro da oposição todas as opções estão sobre a mesa”, em uma possível referência a uma intervenção militar. Oficialmente, no entanto, a opção mais provável é a de novas sanções. “Usaremos todo o poder econômico e diplomático dos Estados Unidos para restaurar a democracia na Venezuela”, disse Trump em nota. Fontes do governo americano disseram a empresas do ramo de energia do país que podem impor sanções ao petróleo venezuelano nos próximos dias se a situação se agravar. Os Estados Unidos impuseram sanções econômicas à Venezuela em 2017, que dificultaram as fontes de financiamento do regime chavista. Com isso, o governo e empresas estatais deram calote em títulos da dívida e tiveram de procurar outras formas de recurso, principalmente na exportação de ouro. Essas punições também afetaram a produção de petróleo venezuelana indiretamente, porque o governo tem tido dificuldades para honrar seguros e compromissos com fornecedores. “Incentivamos outros governos do Hemisfério Ocidental a reconhecer o Presidente da Assembleia Nacional, Guaidó, como o Presidente Interino da Venezuela, e trabalharemos construtivamente com eles em apoio a seus esforços para restaurar a legitimidade constitucional”, acrescentou Trump. “Continuamos a responsabilizar diretamente o regime ilegítimo de Maduro por quaisquer ameaças que possam representar à segurança do povo venezuelano.”

 

Via: Estadão

  • Compartilhe:

Publicidade