DEPUTADOS DERROTAM BOLSONARO E MINISTRO É CONVOCADO PARA EXPLICAR CORTES NA EDUCAÇÃO

14 de maio de 2019

The new Education Minister Abraham Weintraub speaks during his inauguration ceremony at Planalto Palace in Brasilia, Brazil April 9, 2019. REUTERS/Adriano Machado

Em derrota do governo Bolsonaro, o plenário da Câmara dos Deputados convocou, por 307 votos a 82, o ministro Abraham Weintraub para prestar esclarecimentos sobre os cortes na educação.

No momento em que o Planalto busca apoio de parlamentares para aprovar a medida provisória que cria os 22 ministérios, líderes de partidos com afinidade com o governo se juntaram à oposição na articulação. Apenas o Novo e o PSL se posicionaram contra.

Weintraub deverá comparecer na Câmara nesta quarta-feira (15) para ser sabatinado. Já havia uma visita do ministro confirmada à Comissão de Educação na mesma data, mas o plenário decidiu que ele deverá prestar explicação aos 513 parlamentares.

O último ministro a ser convocado ao plenário foi Cid Gomes (Educação), em 2015. A sessão levou à sua demissão. Antes dele, em 1991, foi convocado o titular da Agricultura Antônio Cabrera.

Líder do governo no Congresso, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) reconheceu o desgaste. “A convocação não é agradável, mas é do jogo democrático”, afirmou.

O placar sinaliza isolamento do governo. Quando o PSL pediu votação nominal do requerimento, o líder da maioria, Aguinaldo Ribeiro (PP-AL), ironizou. “Vamos ver quantos votos o governo tem”, disse.

A decisão de colocar o requerimento de convocação do ministro em pauta ocorreu em reunião de líderes na tarde desta terça-feira (14) sem a presença do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele está em viagem aos Estados Unidos.

Os líderes, entretanto, não entraram em acordo em relação à votação da MP que cria a estrutura do governo do presidente Jair Bolsonaro. Se não for votado até 3 de junho na Câmara e no Senado, o texto perde a validade e o País voltará a ter a 29 ministérios.

Do partido de Bolsonaro, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) afirmou que o centrão e a oposição decidiram convocar o ministro para adiar a votação da MP.

“Qual é a intenção real de se convocar ministro para ir ao Plenário? Por que estão com medo de discutir as medidas provisórias? Por que insistem em tirar o Coaf do Moro? Para proibir a Receita Federal de representar?”, questionou.

Líder do PT, o deputado Paulo Pimenta (RS) ressaltou a falta de articulação do governo. “Estamos vivendo o inusitado: votando a convocação de um ministro sem um líder em Plenário. A nova política deve ser isso, um governo sem liderança e que mergulha o País no caos. Por isso precisamos conversar com o ministro da Educação.”

 

Manifestações

O ministro foi convocado para explicar o corte de 30% no orçamento da área, especialmente nas universidades e institutos federais. Autor do requerimento, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) destacou sintonia com a sociedade, que planeja manifestações para esta quarta-feira em defesa da educação.

Além do corte, declarações do ministro em relação sobre a área motivaram a convocação da manifestação. No mês passado, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Weintraub disse que “universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”.

“A universidade deve estar com sobra de dinheiro para fazer bagunça e evento ridículo”, afirmou o ministro citando casos de “sem-terra dentro do campus, gente pelada dentro do campus”, disse.

  • Compartilhe:

Publicidade