COBIÇADA PELA BAHIA, VACINA SPUTNIK V TEM EFICÁCIA DE 91,6% CONTRA COVID-19 EM TESTES

02 de fev de 2021

A vacina Sputnik V, desenvolvida na Rússia, teve eficácia de 91,6% em casos mais leves da Covid-19 na aplicação de duas doses, apontaram resultados preliminares de um ensaio clínico da fase 3 do imunizante, publicados nesta terça-feira (2) na revista científica “The Lancet”, uma das mais respeitadas do mundo. A eficácia contra casos moderados e graves da doença foi de 100%.

A análise incluiu dados de 19.866 voluntários, que receberam a primeira e a segunda doses da vacina Sputnik V, ou seu placebo, entre os quais foram confirmados 78 casos de Covid-19. O estudo apontou que entre os 2.144 idosos com mais de 60 anos que participaram do estudo, a taxa de eficácia foi de 91,8% e, portanto, não diferiu estatisticamente do grupo de 18 a 60 anos.

Vale lembrar que o governo da Bahia tem acordo para distribuir e comercializar 50 milhões de doses da vacina no país. A aplicação emergencial do imunizante no Brasil, no entanto, não foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que exige a realização da fase 3 de testes por aqui para avaliar a eficácia da Sputnik V nos brasileiros. O estado ingressou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar obrigar a autoridade sanitária a analisar o pedido de autorização emergencial da vacina, mesmo sem que esta etapa dos estudos clínicos tenham ocorrido.

A vacina é a quarta a ter resultados publicados em uma revista, depois de Pfizer/BioNTech, Oxford/AstraZeneca e Moderna. Quando isso acontece, significa que os dados foram revisados e validados por outros cientistas.

Nenhum efeito colateral sério foi associado à vacinação, e a maioria dos eventos adversos relatados foram leves – incluindo sintomas semelhantes aos da gripe, dor no local da injeção e fraqueza ou baixa energia. O ensaio continua em andamento, e objetivo é que os testes sejam feitos em um total de 40 mil participantes.

SPUTNIK V E SUA TECNOLOGIA

A Sputnik V usa a tecnologia de vetor viral. Nesse tipo de vacina, um outro vírus (nesse caso, o adenovírus) “leva” o material genético do coronavírus, o RNA, para dentro do nosso corpo. Mas esse adenovírus é modificado para não conseguir se replicar (reproduzir). Por isso, ele não causa doença.

No caso da Sputnik, o adenovírus que leva o coronavírus para dentro do corpo é diferente em cada dose: na primeira, é o Ad26 (mesmo da vacina da Johnson). Na segunda, é o Ad5, mais comum.

  • Compartilhe:

Publicidade