CHEGA AO BRASIL O PRIMEIRO LOTE DE VACINAS DA PFZIER CONTRA A COVID COM 1 MILHÃO DE DOSES

30 de abr de 2021

No dia em que o Brasil confirmou que mais de 400 mil pessoas já morreram de Covid-19, chegaram ao Brasil as primeiras doses da vacina contra a doença produzidas pela farmacêutica americana Pfizer e pelo laboratório alemão BioNtech. Esse primeiro lote tem 1 milhão de doses (o suficiente para imunizar 500 mil pessoas), 1% dos 100 milhões de doses que as fabricantes deverão entregar até o fim de setembro, e será distribuído igualmente aos estados.

Produzidas no interior da Alemanha, as vacinas saíram de Colônia e foram por terra até a Bélgica, onde foram embarcadas em um avião com destino a Miami, nos EUA, antes de finalmente chegarem ao Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), na noite desta quinta (29). Ao todo, a carga com as doses pesa cerca de 900 kg. Elas serão armazenadas em 16 ultracongeladores, nos quais a temperatura fica em torno de -85°C, segundo o Ministério da Saúde.

Segundo o Ministério da Saúde, os estados vão receber os imunizantes com temperaturas entre -25°C e -15°C, faixa em que as vacinas podem ficar por 14 dias. Nas salas de vacinação, as doses serão guardadas em temperaturas entre 2°C e 8°C por até cinco dias, diz a pasta. Estiveram no aeroporto para recepcionar as vacinas os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga, das Relações Exteriores, Carlos França, e o das Comunicações, Fábio Faria. A presença do chefe da Economia, Paulo Guedes, também estava confirmada, mas ele não foi ao evento.

As vacinas que chegam ao Brasil já têm o registro definitivo aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) desde fevereiro e podem ser aplicadas em pessoas maiores de 16 anos. Autorizada para uso em diversos países, a vacina da Pfizer apresentou eficácia global de 95% nos testes e uma eficácia de 94% em indivíduos acima de 65 anos.

As vacinas que chegam agora no fim de abril poderiam ter sido entregues em dezembro do ano passado, segundo a primeira proposta feita pela empresa ao governo brasileiro, que foi rejeitada pelo governo Bolsonaro. O presidente usou como justificativa a exigência de que o governo arcasse com a responsabilidade civil em caso de efeitos colaterais do imunizante, mas contrato semelhante há havia sido firmado com a AstraZeneca.

Pressionado pela escalada de mortes no país, o governo fechou acordo com os laboratórios em março deste ano. Conforme mostrou reportagem da Folha na quarta (28), o governo pagou por um seguro internacional para cobrir a responsabilidade em casos de eventos adversos do imunizante.

A aquisição de seguro custou R$ 6 milhões, dinheiro depositado para a empresa inglesa de seguros Newline Underwriting Management Limited. As ordens bancárias foram emitidas pelo Ministério da Saúde em 30 de março.

No dia seguinte, o governo antecipou o pagamento por 20% das doses de vacinas da Pfizer, com um depósito de R$ 1,14 bilhão.

No contrato com a Pfizer, tornado público pelo ministério apesar do acordo de confidencialidade, existe uma cláusula em que a pasta reconhece que a vacina e componentes relacionados “estão sendo desenvolvidos rapidamente devido às circunstâncias de emergência da pandemia”.

“O comprador reconhece que a eficácia e os efeitos a longo prazo da vacina ainda não são conhecidos e que pode haver efeitos adversos da vacina que não são conhecidos atualmente”, cita a cláusula.

Segundo o mesmo contrato, a Pfizer fará um seguro para cobrir responsabilidades sobre suas atividades. “Para fins de absoluta clareza”, cita o contrato, “isso não incluirá nem constituirá seguro de responsabilidade por produto para cobrir quaisquer reivindicações de terceiros/pacientes”.

 

Thiago Amâncio/Folhapress

  • Compartilhe:

Publicidade