BARREIRAS: DURAS PALAVRAS MARCARAM A SESSÃO DESTA TERÇA-FEIRA, 13, NA CÂMARA MUNICIPAL

14 de mar de 2018

 

Um clima de beligerância predominou os discursos proferidos na Câmara Municipal de Barreiras na sessão desta terça-feira, 13. Troca de farpas, acusações e estocadas da situação e da oposição, transformaram o Plenário da Casa, mais uma vez, em um cenário de enfrentamentos e tensões. O auge dos discursos ficou por conta dos vereadores, Zé Barbosa, Marcos Reis, Vivi Barbosa e, principalmente, Eurico Queiroz que partiu para cima com gosto de gás, como se diz popularmente e não deixou pedra sobre pedra.

Eurico se mostrou profundamente irritado com dois vereadores, Marcos Reis e José Barbosa, ambos adversários do prefeito Zito Barbosa. Marcos Reis havia feito um discurso acusando o prefeito de ter praticado discriminação contra ele por tê-lo chamado, em uma inauguração de reforma de escola, de “aquele vereador que se diz evangélico”. “Sou evangélico sim e procuro respeitar a todos. Quem é o prefeito para dizer uma coisa desta? Como pode uma autoridade discriminar uma pessoa por conta da sua religião? E o prefeito que apareceu dançando na Boquinha da Garrafa?” acusou o edil.

Quanto a José Barbosa a irritação de Eurico tinha como alvo a sessão anterior quando o vereador Vivi Barbosa fez um pesado discurso contra a vice-prefeita Karlúcia Macêdo, na presença dela e, segundo Eurico, Barbosa, que naquele dia presidia a sessão foi “omisso, não teve competência para gerir os trabalhos e feriu o regimento ao permitir que a vice-prefeita fosse desmoralizada em plena sessão”. Eurico entende que José Barbosa deveria, pelo menos ter, ou cassado a palavra do vereador ou suspendido a sessão por alguns minutos para acalmar os ânimos. E aumentando o tom disse, “Quando o presidente Gilson não puder vir presidir me avise com antecedência pois eu não quero participar de sessão presidida por esse vereador (José Barbosa).

Noutro trecho do seu discurso Eurico – se referindo ao pronunciamento de Marcos Reis – saiu em defesa do prefeito Zito Barbosa. “O que é que tem o prefeito dançar com sua esposa? Eu tenho 30 anos de casado e gosto de dançar com minha esposa. Quem gosta de dançar com mulher, dança com mulher e quem gosta de dançar com homem dança com homem mas tem que sair do armário”.

Vivi Barbosa discursou logo em seguida e rebateu a fala de Eurico. “José Barbosa teve competência e coragem e ocupou muito bem a presidência. Quero dar os meus parabéns a ele. O vereador Eurico fala em cumprir o Regimento mas ele se esquece que já disse aqui nesta tribuna que tem colega nesta Casa que de dia usa paletó e de noite usa camisola. O que isso tem a ver? A vida pessoal de cada vereador não interessa a ninguém. Interessa ao povo é o trabalho que fazemos aqui. O povo está sofrendo com esta gestão e nós vamos continuar denunciando” afirmou.

No final da sessão, o presidente da Casa, Gilson Rodrigues, utilizando o Regimento Interno, pediu aos vereadores comedimento nas palavras e a manutenção do decoro parlamentar. O clima de tensão aumentou muito nos últimos dias, principalmente depois da polêmica do Código Tributário, quando oito vereadores da base do prefeito assinaram um documento pedindo a revogação do Código. Isso acabou criando três grupos dentro da Câmara, o chamado G9 – que se denomina bancada independente, a base aliada e a oposição. O cenário é o seguinte: a oposição representada pelos vereadores Vivi Barbosa, José Barbosa, Marcos Reis e Nereu do Gás, faz duras críticas ao prefeito Zito Barbosa. Saem em defesa do prefeito os vereadores Otoniel Teixeira, Eurico Queiroz e João Felipe. Os demais se mantêm em silencio meditativo. Nem atacam e nem defendem. Deixam como está pra ver como é que fica. Eurico, no seu conhecido estilo, tem chamado para si a responsabilidade de defender a gestão e ir para o enfrentamento com a oposição. Os oposicionistas vão se unindo cada vez mais à bancada independente e, neste puxa-encolhe, os acirramentos de ânimos tendem a aumentar no Plenário da Casa.

  • Compartilhe:

Publicidade