ANGELO CORONEL APRESENTA MOÇÃO DE PESAR PELO FALECIMENTO DO ARTISTA PLÁSTICO ÂNGELO ROBERTO

29 de jan de 2018

Presidente da ALBA destaca genialidade de “um dos maiores traços da Bahia”

Consternado com o falecimento, hoje (28.01), do artista plástico baiano Ângelo Roberto, natural de Ibicaraí, no Sul baiano, o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia – ALBA, deputado Angelo Coronel se solidarizou com familiares e amigos nesse momento de perda e dor, “rogando a Deus que conforte seus entes queridos, que sempre terão o conforto nas memórias dos inúmeros bons momentos que desfrutaram em sua alegre companhia”.

Coronel apresenta amanhã (30.01) moção de luto e pesar à Secretaria Geral da Mesa, fixando nos anais do Legislativo o reconhecimento da Bahia e dos baianos a esse “mestre do bico-de-pena, da aquarela, um dos traços mais finos da Bahia, agitador cultural em tempo integral e excepcional figura humana”.

Coronel disse que o Poder Legislativo, através do Programa ALBA Cultural, vai homenagear o artista plástico ainda este ano. “É uma pena que ele se foi antes do lançamento, mas estamos finalizando a produção da primeira incursão de Ângelo Roberto pela literatura infantil, uma estória que ele escreveu e ilustrou, ainda inserida nas comemorações do centenário de nascimento do professor Adroaldo Ribeiro Costa, criador e impulsionador do programa ‘Hora da Criança’”, diz o presidente da ALBA.

Ângelo Roberto participou da “Hora da Criança”, aliando ao dom de desenhar (começou aos sete anos de idade) o de representar. Foi um artista multimídia, quando esta palavra ainda não havia sido inventada, pois sua primeira exposição aconteceu quando tinha apenas 14 anos, no VI Congresso de Escritores Infanto-Juvenis, em São Paulo, em 1952

Falecido aos 80 anos, de câncer, o ibicaraiense Ângelo Roberto atuou também como diretor de criação em agências publicitárias, ator de cinema, produtor e ilustrador de livros, jornais e cartazes de filme. A cerimônia de cremação será amanhã (29.01), às 11h, no cemitério Jardim da Saudade.

HORA DA CRIANÇA

A “Hora da Criança” foi um marco da arte-educação na Bahia e no Brasil. Inicialmente era um programa de rádio voltado para o público infantil, que evoluiu para o teatro e a divulgação da obra de Monteiro Lobato com montagens da peça “Narizinho”, e de trabalhos como “Monetinho” ou “Enquanto Nós Cantarmos”, encenadas por crianças e adolescentes, entre eles Ângelo Roberto.

O Legislativo baiano homenageará também este ano o professor Adroaldo Ribeiro Costa com a publicação de um perfil biográfico, escrito pela jornalista Suely Temporal, através da coleção Gente da Bahia, que reverencia a memória de baianos notáveis nos mais variados campos da atividade humana.

  • Compartilhe:

Publicidade