CRÔNICA: A INJEÇÃO QUE FAZ O CABRA DISCURSAR NA MARRA FALANDO BEM DE ACM

26 de jan de 2019

Roberto de Sena

 

No ano em que Paulo Braga venceu as eleições contra Saulo Pedrosa aconteceu um  fato inusitado e que entrou para a história política de Barreiras. Deraldino era candidato a vereador do lado de Saulo e fervoroso adversário de Paulo Braga. Andava pelas ruas com uma bandeira de Saulo e vivia gritando nas esquinas. “Saulo Pedrosa é o maior, já ganhou, tá eleito.” Comício, reunião ou seja lá o que fosse, Deraldino era o primeiro da fila sempre a gritar o nome de Saulo e a transmitir entusiasmos aos correligionários.

Mas a política tem seus sortilégios. Suas surpresas trabalhadas na calada da noite.

Baltazarino – que na época era prefeito e apoiava Paulo Braga – bota um carro de som na rua anunciando um grande comício com a presença de ACM (O velho, claro), que na época era o poderoso ministro das Comunicações do governo do presidente José Sarney. Todos sabiam que Saulo Pedrosa era um adversário forte, perigoso e com potencial de vencer aquele pleito. A vinda de ACM somente não bastava. Era preciso criar mais um fato para engrossar o caldo e garantir a vitória de Paulo Braga.

Foi então que um carro de som irrompeu pelas ruas de Barreiras anunciando no centro e nos bairros: hoje a noite teremos uma grande surpresa no comício da vitória com a presença do ministro Antonio Carlos Magalhães. Um forte candidato a vereador que era do outro lado, percebeu que a vitória já é nossa e mudou para o nosso lado. Não perca o comício para você ver ao vivo e a cores quem é o vereador que aderiu e agora estará em nosso palanque. É hoje. Não perca.

A notícia correu. Nos bares, nas esquinas e até na missa todo mundo só falava neste assunto. Na hora do comício a Praça Sabino Dourado em Barreirinhas estava lotada. Dava a impressão que a cidade inteira estava presente tal a multidão reunida.

Gilmar Azevedo era o locutor e, de minuto em minuto anunciava: daqui a pouco o grande discurso do vereador que era do outro lado e mudou e agora estará aqui em nosso palanque ao lado do ministro ACM e do futuro prefeito Paulo Braga. Atrás do palanque Carlos Braga – que sempre foi inteligentíssimo em política – dava boas risadas.

Já no fim do comício, antes do discurso de ACM, Gilmar Azevedo anunciou com muito entusiasmo. E agora o grande momento, você vai saber agora quem é o candidato que veio para o nosso lado. Com vocês Deraldino.

Fogos pipocaram na praça. Deraldino surge no centro do palanque de microfone em punho, abraça ACM, Paulo Braga e Baltazarino e diz que mudou de lado por ter feito uma reflexão e ter percebido que Paulo Braga era o melhor para Barreiras e em seguida passou a elogiar ACM. “Esse é o maior homem que a Bahia já teve, tudo que tem na Bahia foi ele que fez, o Elevador Lacerda foi ele que fez, dividiu Salvador em cidade alta e cidade baixa, o campeonato baiano foi ele que criou, o Bahia só foi campeão brasileiro por causa dele, o Rio São Francisco foi ele que fez, O Farol da Barra foi ele que fez, o mar e as praias de Salvador foi ele que fez, a igreja do Bonfim foi ele que fez, o Vitória foi ele que fundou pra disputar com o Bahia ou então num ia ter nem graça. O homem pensa em tudo. Caetano Veloso e Gilberto Gil só fazem sucesso porque é ACM que compõe as músicas, o Olodum só existe por causa dele. Barreiras mesmo só existe por causa de ACM. Ele que fez o Rio Grande. Se ele não fizesse o rio aqui não ia ter cidade. ACM  fez tudo que existe na Bahia. É o maior. Viva ACM e morra quem tem paixão”. O povo delirava com o discurso de Deraldino.

Carlos Braga arregalava os olhos. Everaldo Galvão pipocava de ri e Baltazarino só dizia. “É isso mesmo”

No fim do comício Deraldino se viu cercado em um beco escuro por diversos apoiadores de Saulo que estavam revoltados. Tomou logo uns dois sopapos a guiza de introdução do diálogo e percebeu que se não inventasse uma história urgente, tomaria uma surra memorável. Raciocinou rápido, pediu um tempo para contar o que havia acontecido.

“Olha gente eu sei que eu mereço uma surra de criar bicho mas  qualquer um de vocês fariam o mesmo que eu fiz. Fui forçado. Não tinha outro jeito – e Deraldino – diante dos olhos enfurecidos dos seus algozes – passou a contar o que havia acontecido. “Eu tava tomando uma cerveja e já ia embora para casa quando chegaram dois sujeitos mal encarados e me perguntaram. – Você é o candidato a vereador Deraldino? – Tá falando com ele – Eu respondi. Rapaz… os cabras me pegaram pelo pescoço, me sujegaram e tiraram de dentro de uma caixa uma injeção deste tamanho, daquelas de dar em cavalo, num sabe, e me aplicaram a danada da injeção. Eu só tive tempo de ler na caixa INJEÇÃO QUE FAZ O CABRA DISCURSAR FALANDO BEM DE ACM. Rapaz a injeção fez efeito na hora, subiu pelo pé da goela, bateu no meu juízo e ficava martelando uma ordem: SOBE NO PALANQUE E DISCURSA FALANDO BEM DE ACM! LIGEIRO CABRA!. Eu senti um troço estranho, bateu na moleira, eu fiquei bestaiado, queria ir pra casa mas as pernas só caminhavam para o palanque e  dai em diante num vi mais nada, parece até que eu tava fora de mim e só dei fé de mim agora que tô aqui com vocês. Eu quero que meu Senhor dos Aflitos me cegue se eu tiver mentindo. Em nome de São João Batista e do Divino Espírito Santo,  nunca mais eu entro numa enrascada  dessa. Política é bicho do cão, do sujo, do satanás. Um homem serio cuma eu num devia se meter nisso era nunca.”  A turma que cercava Deraldino se descontraiu e caiu na risada com a história contada pelo nosso herói. Ele, esperto que só João Grilo, farejou a oportunidade de se livrar da confusão, aproveitou a distração, saiu em desabalada carreira, mergulhou no Rio Grande e desceu na correnteza até o até o bairro Vila Brasil onde ficou escondido até eleição passar. Para sua sorte Paulo Braga venceu aquela eleição e ele pode finalmente deixar o esconderijo e entrar para a história política de nossa cidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Compartilhe:

Publicidade