12 MULHERES FORAM ASSASSINADAS POR DIA NO BRASIL EM 2017
7 de março de 2018

Doze mulheres são assassinadas todos os dias, em média, no Brasil. É o que mostra um levantamento feito pelo G1 considerando os dados oficiais dos estados relativos a 2017. São 4.473 homicídios dolosos, sendo 946 feminicídios, ou seja, casos de mulheres mortas em crimes de ódio motivados pela condição de gênero.

Trata-se de um aumento de 6,5% em relação a 2016, quando foram registrados 4.201 homicídios (sendo 812 feminicídios). Isso sem contar o fato de alguns estados ainda não terem fechado os dados do ano passado, o que pode aumentar ainda mais a estatística.

G1 publica nesta quarta e nesta quinta-feira um material especial sobre violência contra a mulher dentro do Monitor da Violência, uma parceria do portal com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Para Samira Bueno e Juliana Martins, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o levantamento mostra que não há o que comemorar no Dia Internacional da Mulher, nesta quinta (8). “Se considerarmos o último relatório da Organização Mundial da Saúde, o Brasil ocuparia a 7ª posição entre as nações mais violentas para as mulheres de um total de 83 países.”

O delegado Janderson Lube, titular da Delegacia Especializada em Homicídios contra a Mulher do Espírito Santo, diz que tem ocorrido mais casos de homicídios de mulheres, de uma maneira geral, por envolvimento com o tráfico de drogas. “As mulheres acabam se envolvendo no mundo das drogas e são vitimadas por tais circunstâncias.”

O levantamento revela que:

  • O Brasil teve 4.473 homicídios dolosos de mulheres em 2017 (um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior)
  • Do total, 946 são feminicídios (dado considerado subnotificado)
  • Em 2015, 11 estados não registraram dados de feminicídios; em 2017, três ainda não tinham casos contabilizados
  • Rio Grande do Norte é o que tem o maior índice de homicídios contra mulheres: 8,4 a cada 100 mil mulheres
  • Mato Grosso é o estado com a maior taxa de feminicídio: 4,6 a cada 100 mil

Os dados expõem não apenas uma preocupante escalada na violência contra as mulheres. Eles mostram também uma patente subnotificação nos casos de feminicídio – o que os próprios estados admitem. Três anos após a sanção da Lei do Feminicídio, três estados ainda não contabilizam os números. E outros possuem apenas dados parciais.

Desde 9 de março de 2015, a legislação prevê penalidades mais graves para homicídios que se encaixam na definição de feminicídio – ou seja, que envolvam “violência doméstica e familiar e/ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher”. Os casos mais comuns desses assassinatos ocorrem por motivos como a separação.

Os dados levantados pelo G1 mostram uma lenta evolução dos registros de feminicídios no país. Em 2015, ano em que a lei foi sancionada, 16 estados registraram 492 casos. As outras unidades da federação não forneceram registros. Um ano depois, em 2016, 20 estados tiveram 812 crimes. Já em 2017, 24 estados tiveram 946 feminicídios.

“Os operadores do sistema de justiça criminal precisam olhar para a morte de mulheres e saberem quando registrá-las como feminicídios, em um processo que não é apenas técnico, mas também cultural, já que a morte de mulheres é, de certa forma, naturalizada e as violências contra a mulher no cotidiano são aceitas e reproduzidas”, dizem as pesquisadoras do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

 (Foto: Betta Jaworski/G1) (Foto: Betta Jaworski/G1)

(Foto: Betta Jaworski/G1)

Ausência de dados

Todos os dados foram solicitados pelo G1 via Lei de Acesso à Informação. Em muitos casos, foi preciso recorrer a uma ou duas instâncias para obter uma resposta. Em outros, foi necessário acionar as assessorias de imprensa das secretarias da Segurança Pública. Mesmo assim, parte diz não possuir os números.

Alguns estados admitem que não fazem monitoramento estatístico do feminicídio por conta de “dificuldades técnicas” e “falta de transparência”. Há estados, como Rondônia, onde não há nem sequer distinção por gênero quando analisados os números de homicídios dolosos.

O Maranhão, por exemplo, apenas informa os dados de feminicídio de 2017. E justifica que, por conta da “novidade” da lei que instituiu o crime, muitos casos não foram computados como feminicídio, mas sim como homicídio, sobretudo nos primeiros anos de vigência da lei. Apenas em 2017 houve a criação de um departamento e os dados “começaram a ser computados de maneira correta”, segundo a unidade de estatística e análise criminal da Secretaria de Estado da Segurança Pública do Maranhão. Em Mato Grosso, os dados só foram obtidos com a Corregedoria do Estado.

No Distrito Federal, desde o ano passado, houve uma mudança metodológica nos registros. Toda morte de mulher já entra no sistema como feminicídio. Segundo o subsecretário de Gestão da Informação da Secretaria de Segurança Pública do DF, Marcelo Durante, cabe ao processo de investigação definir se ele será “rebaixado ou não”. “Apesar de a gente ter tido uma redução no número de mortes de mulheres, os feminicídios foram ocupando espaço maior. Isso se dá, especificamente, por conta de a Polícia Civil estar cada vez mais internalizando esses procedimentos. As instituições estão aprendendo a lidar com isso.”

Veja todos os problemas identificados nos estados:

  • Amapá: não tem dados de feminicídio de 2015 e 2016
  • Bahia: a Ouvidoria diz que não há estatísticas de feminicídio referentes a 2015 e 2016
  • Ceará: não tem dados de feminicídio de nenhum ano. A assessoria de análise estatística e criminal da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social diz que apenas no final do ano de 2017 foi implementada esta categoria de crime no Sistema de Informação Policial e que, por isso, só será possível gerar essa estatística específica a partir de 2018
  • Espírito Santo: não tem dados de feminicídio de 2015
  • Maranhão: não tem dados de feminicídio de 2015 e 2016. A Ouvidoria diz que o departamento de feminicídio foi criado apenas em 2017, ano em que os crimes começaram a ser tipificados segundo a nova legislação
  • Mato Grosso: a Ouvidoria do estado afirma que não tem dados de feminicídio para nenhum ano porque a fonte de análise são os boletins de ocorrência, e o feminicídio é apurado apenas durante a investigação ou na fase processual. Os números de feminicídio foram obtidos com a Corregedoria do estado
  • Minas Gerais: a Ouvidoria diz que os números de 2017 são parciais. A previsão é que os dados completos sejam divulgados ainda neste mês
  • Paraíba: os dados de feminicídio de 2017 se referem apenas ao primeiro semestre do ano. Os dados completos apenas serão divulgados em abril
  • Paraná: o estado diz que não foi possível elaborar a pesquisa de feminicídios do ano de 2015. Os dados passaram a ser contabilizados apenas em 2016. Segundo o governo, “o lapso temporal foi gerado em decorrência do tempo necessário para a atualização dos sistemas de registro”
  • Pernambuco: não tem os dados de feminicídio de 2015. A Ouvidoria informa que, como a lei entrou em vigor em março de 2015, os dados começaram a ser consolidados apenas em 2016
  • Rio de Janeiro: não tem dados de feminicídio de 2015. Os dados começaram a ser consolidados apenas em outubro de 2016
  • Rondônia: o governo não informa os dados de homicídio doloso contra mulheres nem de feminicídio. A assessoria diz que os crimes de homicídio doloso são registrados de forma geral, sem distinguir o gênero da vítima
  • Sergipe: não tem os dados de feminicídio de 2015 e 2016. Em 2017, só possui dados da região metropolitana de Aracaju. O governo informa que passará a ter as informações completas em 2018
  • Tocantins: os dados de homicídio doloso contra vítimas mulheres em 2016 e 2017 são parciais porque “algumas unidades policiais ainda não entregaram seus relatórios estatísticos mensais”. O governo diz que não tem dados de feminicídio especificados de nenhum dos anos

Mato Grosso é o estado com a maior taxa de feminicídio em 2017: quase 5 casos a cada 100 mil mulheres. Já o Rio Grande do Norte tem o maior índice de assassinatos de mulheres no geral (8,4). Roraima, sem casos de feminicídio registrados oficialmente pelas autoridades em 2017, tem a menor taxa do país. No caso de homicídios contra mulheres no geral, São Paulo aparece na última posição (2,2).

Dineia Batista Rosa: universitária foi estrangulada e morta pelo ex, que não aceitou o fim do relacionamento, em 2017, em Mato Grosso. Ela havia rompido o namoro justamente por descobrir que o namorado já tinha matado a mulher. Mato Grosso é o estado com a maior taxa de feminicídio do país (Foto: Divulgação)Dineia Batista Rosa: universitária foi estrangulada e morta pelo ex, que não aceitou o fim do relacionamento, em 2017, em Mato Grosso. Ela havia rompido o namoro justamente por descobrir que o namorado já tinha matado a mulher. Mato Grosso é o estado com a maior taxa de feminicídio do país (Foto: Divulgação)

Dineia Batista Rosa: universitária foi estrangulada e morta pelo ex, que não aceitou o fim do relacionamento, em 2017, em Mato Grosso. Ela havia rompido o namoro justamente por descobrir que o namorado já tinha matado a mulher. Mato Grosso é o estado com a maior taxa de feminicídio do país (Foto: Divulgação)

A Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso diz que tem orientado suas unidades a enquadrar os casos de feminicídio aos parâmetros estabelecidos na legislação. E informa que a investigação nesses casos é célere e a autoria, praticamente certa. “As prisões vêm ocorrendo tanto no interior quanto na capital. A polícia também tem atuado no campo da prevenção, com ampliação dos programas de proteção a vítimas de viiolência doméstica”, afirma.

Além disso, a Secretaria da Segurança Pública de Mato Grosso criou um campo no Sistema de Boletim de Ocorrência Policial chamado “vínculo”, para que no ato do registro o policial coloque a informação se a vítima tem alguma ligação com o suspeito, principalmente nos casos de morte em decorrência da violência doméstica.

Procurada, a Secretaria da Segurança do Rio Grande do Norte não comenta o dado.

G1 também pediu dados de feminicídio ao Ministério da Justiça. O órgão, no entanto, não tem dados tabulados sobre o tipo de crime. Diz que “não tem os subsídios necessários para fornecer dados específicos sobre feminicídios, ficando essas informações, caso estejam disponíveis, no âmbito das secretarias de Segurança Pública de cada unidade da federação”. A ausência de uma estatística nacional mostra a necessidade de uma padronização e de um indicador mais preciso e confiável no país.

Feminicídio x homicídio

Segundo o delegado Victor Leite, da Polícia Civil de Pernambuco, o procedimento padrão de investigação para casos de morte de mulheres é, primeiro, investigar a vida pregressa da vítima para saber o que ela fazia, com quem ela andava e onde trabalhava. Dessa forma, a causa da morte é delineada e, consequentemente, é possível saber se houve feminicídio ou não.

“Com as primeiras informações da família, já conseguimos identificar se foi feminicídio, ou seja, se a vítima morreu em decorrência de ser mulher, se mataram por achar que a mulher era inferior, ou se foi motivada por outra hipótese. Por exemplo, se a mulher morreu por fazer parte de alguma organização criminosa ou quadrilha”, diz o delegado Victor Leite.

De acordo com o delegado Janderson Lube, de uma forma geral, os feminicídios têm um indicativo de autoria do crime preexistente, já que os autores geralmente são conhecidos das vítimas, como ex-maridos. Por conta disso, o delegado afirma que há maior facilidade de investigação.

“Os crimes de feminicídio, no geral, ocorrem em um ambiente doméstico, muitas vezes praticado dentro da própria casa da residência do casal. Diante também das circunstâncias de fuga do autor, do companheiro da vítima, nós chegamos a essa constatação de que é feminicídio logo no início das investigações”, diz.

Nos casos de homicídio, a dificuldade de investigação costuma ser maior, ainda mais os que envolvem drogas. “São casos muito difíceis de ser apurados por conta das circunstâncias. O crime ocorre de madrugada ou à noite, tem a ausência de testemunhas, e os locais onde esses crimes ocorrem têm lei do silêncio. Gera uma série de dificuldades para prosseguir as investigações”, afirma.

Investigação

Os dados mostram que muitos casos de feminicídio não eram registrados como tal logo após a sanção da lei. Isso vem mudando. Em agosto do ano passado, por exemplo, Marly Ferreira Pereira, de 43 anos, foi morta pelo marido em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Após esfaquear a mulher, Aldair Pinho de Souza, de 57, tentou se matar, de acordo com a Polícia Militar. O caso foi registrado como homicídio, mas acabou denunciado como feminicídio pelo Ministério Público.

“A denúncia se baseou nos dados alcançados na investigação. Temos a segurança quanto à autoria porque o acusado é confesso. Sabemos que o acusado e a vítima tinham um relacionamento de companheiro, um relacionamento estável. Sabemos que ambos se encontravam embriagados. Sabemos que o homicídio foi cometido a facadas. E nesse quadro, estando absolutamente claro que o homicídio foi cometido num contexto de convivência doméstica ou familiar entre acusado e vítima, temos um feminicídio. Ou seja, um homicídio qualificado porque, cometido contra uma mulher, por uma condição relacionada ao seu gênero. Por sua vez, marcado pela fragilidade em que a mulher mais acentuadamente se encontrava, pela vulnerabilidade em que ela, via de regra, se encontra em face do agressor num espaço de convivência doméstico familiar”, afirma o promotor Henry Wagner Vasconcelos de Castro.

Marlene Maria dos Santos, mãe de Laniele, assassinada pelo marido em Mauá, com a neta no colo e uma foto da filha (Foto: Kleber Tomaz/G1)Marlene Maria dos Santos, mãe de Laniele, assassinada pelo marido em Mauá, com a neta no colo e uma foto da filha (Foto: Kleber Tomaz/G1)

Marlene Maria dos Santos, mãe de Laniele, assassinada pelo marido em Mauá, com a neta no colo e uma foto da filha (Foto: Kleber Tomaz/G1)

No caso do assassinato de Laniele Santos Duque da Silva, de 20 anos, em Mauá, na Grande São Paulo, a qualificadora foi colocada já no registro da ocorrência.

Ela foi baleada pelo marido, que foi preso e aguarda o julgamento. Um mês antes do crime, ela postou no Facebook: “Jamais trate uma mulher como lixo”.

“A lei 13.104, de 9 de março de 2015, parágrafo 1º artigo 2, considera que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação com a condição de mulher. Nesse caso, todas essas circunstâncias foram objetivamente verificadas. Havia já pela narrativa de testemunhas ouvidas um histórico de violência”, afirma o delegado do caso, José Carlos de Melo.

“Tomamos todas as providências, todos os cuidados necessários, ouvimos testemunhas, ouvimos parentes e tudo indicou ter havido nesse caso realmente um feminicídio. A violência doméstica colocando a condição do gênero de mulher, passando por uma espécie de tortura psíquica, física, que se desenrolou por algum tempo.”

“Ele a matou pelo fato de ela ser mulher”, afirma a mãe de Laniele, Marlene Maria dos Santos.

A mãe do acusado, Angela Maria da Silva Azevedo, diz que sempre educou o filho a respeitar as mulheres. “Sempre falei que, se você está em um relacionamento que não dá certo, você separa, cada um para o seu lado, porque é o certo. Mas se foi ele realmente, que ele pague o que ele fez. Se a Justiça provar que foi ele, que se faça justiça”, diz a mãe, que não falou com o filho desde o crime.

Angela Maria da Silva Azevedo, mãe de Marcelo da Silva Azevedo, acusado de matar a mulher, diz que não fala com o filho desde o crime (Foto: Kleber Tomaz/G1)Angela Maria da Silva Azevedo, mãe de Marcelo da Silva Azevedo, acusado de matar a mulher, diz que não fala com o filho desde o crime (Foto: Kleber Tomaz/G1)

Angela Maria da Silva Azevedo, mãe de Marcelo da Silva Azevedo, acusado de matar a mulher, diz que não fala com o filho desde o crime (Foto: Kleber Tomaz/G1)

Ciclo de violência

Segundo delegados e promotores ouvidos pelo G1, o crime de feminicídio costuma ser o fim de um longo ciclo de violência sofrido pela mulher.

De acordo com Janderson Lube, a maior parte dos casos é marcada por uma progressão de violência doméstica. “A mulher é vítima de agressões inicialmente e, depois, essas agressões viram um homicídio propriamente dito”, afirma.

Em muitas vezes, o crime é precedido por denúncias feitas pela vítima ou mesmo de medidas protetivas contra os antigos companheiros. Em outras situações, porém, o medo, a vergonha ou mesmo o amor impedem a mulher de denunciar seu agressor.

“A mulher resolve não denunciar por estar ligada intimamente ao agressor ou por ter uma dependência econômica e afetiva quanto aos filhos, ou mesmo por achar que pode modificá-lo. Então há todo um ciclo de violência contra a mulher que é diferente da violência comum, da violência em um roubo, em outro tipo de delito que não envolve uma relação íntima de afeto”, diz Ronaldo Costa Braga, promotor do Paraná.

Foi o caso de Josete do Rocio Ferreira, de 54 anos, que morou 13 anos com o homem denunciado pelo seu assassinato na cidade de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba. Segundo a delegada Tatiana Guzela, Josete ficou no chão da sua casa durante três dias antes de ser socorrida, até ser encontrada pela irmã. Ela morreu no hospital.

“Tinha um histórico imenso de violência nos últimos anos, e ela [Josete], por ser muito apaixonada pelo homem, nunca se preocupou com a sua vida. Segundo o depoimento dos familiares, ela dizia que, se tivesse que morrer nas mãos dele, assim ela queria que fosse”, diz a delegada Tatiana Guzela.

Segundo Costa Braga, a esperança é que a divulgação da Lei do Feminicídio e de dados de violência contra a mulher aumente a consciência coletiva sobre a importância em denunciar os agressores.

“Nós estamos presenciando movimentos no sentido de empoderar a mulher nesse tipo de situação. Eu acho que tem o poder de mudar a sociedade – e eu espero que consiga. Os números ainda são muito altos, mas eu acho que a sociedade está se transformando, sim”, diz.

Via: g1

  • Compartilhe:

Mais do Mural do Oeste

Mais do Mural do Oeste

27/01/2023 PREFEITURA DE BARREIRAS INTERDITA TRECHO DA BR 242 PARA MONTAGEM DA ESTRUTURA DO BARREIRAS FOLIA 2023   A Prefeitura Municipal de Barreiras interditou o trecho da BR 242 entre  a Rotatória do Galego Lanches e a Câmara de Vereadores para montagem da  estrutura do Barreiras Folia. Segundo o prefeito Zito Barbosa este será um  dos melhores carnavais do interior da Bahia.
  • Compartilhe:

27/01/2023 GOVERNADOR JERÔNIMO INCLUI BR-242 EM OBRAS PRIORITÁRIAS PARA GOVERNO LULA; DEPUTADA JUSMARI EXALTA DECISÃO O trecho entre Barreiras e Luís Eduardo Magalhães será duplicado A deputada estadual Jusmari Oliveira e o ex-prefeito de Luís Eduardo Magalhães (LEM) e liderança política Oziel Oliveira exaltaram, nesta sexta-feira (27), a inclusão da recuperação e duplicação da BR-242 na Bahia no grupo ...
  • Compartilhe:

27/01/2023 FOI DADO PASSO INICIAL PARA RECUPERAÇÃO DA BARRAGEM DE OURIÇANGA EM ANGICAL   Após a barragem do povoado de Ouriçanga no assentamento de Reforma Agrária de Angical ter sido destruída nas enchentes de 2021, na data de hoje o presidente da associação local, Sr Cirsino Porto, esteve na Codevasf/Barreiras em audiência agendada pelo presidente do PT Nado com o Gerent ...
  • Compartilhe:

27/01/2023 PF CUMPRE 11 MANDADOS DE PRISÃO CONTRA SUSPEITOS DE ATAQUE GOLPISTA   A Polícia Federal cumpre nesta sexta-feira (27) um total de 11 mandados de prisão preventiva e 27 de busca e apreensão para identificar participantes, financiadores e apoiadores dos atos golpistas do dia 8 de janeiro, em Brasília. A terceira fase da Operação Lesa Pátria foi determinada ...
  • Compartilhe:

27/01/2023 PRIMEIRO PEDIDO DE IMPEACHMENT DE LULA É PROTOCOLADO NA CÂMARA Como adiantamos, o deputado Ubiratan Sanderson (PL-RS) protocolou hoje o primeiro pedido de impeachment do presidente Lula (PT, à direita na foto). Na peça, o parlamentar argumenta que o petista cometeu crime de responsabilidade ao associar a um golpe de Estado o impeachment da ex-presidente Dilma ...
  • Compartilhe:

27/01/2023 CONHEÇA A FAREJADORA DO CORPO DE BOMBEIROS UTILIZADA NO RESGATE A VÍTIMAS DE ACIDENTE NA SERRA DA MANGABEIRA Esta é a farejadora Cristal, do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (CBMBA). A cadela é especialista em detectar  pessoas em óbito. A atuação da dela na triste ocorrência da Serra da Mangabeira foi fundamental para, mesmo diante da dor, amenizar a angústias de familiares e de todas as pessoa ...
  • Compartilhe:

27/01/2023 REPRESENTANTES DO NETOS DE MOMO SÃO RECEBIDOS POR GESTORES MUNICIPAIS E EQUIPE TÉCNICA DO BARREIRAS FOLIA Os detalhes sobre o desfile dos foliões do Netos de Momo, bloco que se transformou em uma das principais manifestações culturais de Barreiras, com 43 anos de tradição, foram discutidos durante reunião entre os representantes do bloco, Dr. Wagner Pamplona de forma presencial e Gil Pamplona de f ...
  • Compartilhe:

27/01/2023 ESTUDANTE DE MEDICINA MORRE NO HOSPITAL DO OESTE APÓS ACIDENTE NA BR-020 No final da tarde desta quinta-feira, 26, médicos do Hospital do Oeste constataram a morte de Mariani Fernandes Campanholi, de 21 anos, que não resistiu aos graves ferimentos sofridos no acidente da manhã desta quinta-feira, 26, na BR 020, entre LEM e Roda Velha. De acordo com informações de pe ...
  • Compartilhe:

27/01/2023 SECRETARIA DE AGRICULTURA DE SÃO DESIDÉRIO OFERTARÁ INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM BOVINOS PARA PEQUENOS CRIADORES A Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Econômico de São Desidério (SEAGRI) em parceria com a CONAFER promoverá rodadas de inseminação artificial em bovinos nas propriedades de pequenos produtores de gado. Serão 100 inseminações em cada rodada. E para participar, o criador basta ter n ...
  • Compartilhe:

26/01/2023 SÃO FÉLIX DO CORIBE: MOTORISTA MORRE APÓS CARRETA TOMBAR NA BR-349   Na noite de ontem quarta-feira, 25, por volta das 19h, uma carreta Scania 17.230 tombou na BR 349, na saida para Bom Jesus da Lapa, na cidade de São Felix do Coribe. O SAMU foi ao local e socorreu o motorista para o hospital municipal, onde, mesmo com os esforços da equipe médica, ele [&he ...
  • Compartilhe:

26/01/2023 PREFEITURA DE BAIANÓPOLIS CONFIRMA REALIZAÇÃO DE CARNAVAL E ANUNCIA AS ATRAÇÕES; CONFIRA
  • Compartilhe:

25/01/2023 BAHIA PRESENTE NO ENCONTRO DAS MÃES DA RESISTÊNCIA COM SECRETÁRIA NACIONAL LGBT, SYMMY LARRAT, EM BRASÍLIA   O encontro tratou das pautas que devem nortear os trabalhos da organização em 2023. A Associação Nacional Mães da Resistência, representada por sua Presidenta, Gi Carvalho (PE); pela Secretária, Leila D’Arc de Souza (DF) e pela Diretora do Núcleo de Direitos Humanos, Melyssa Chaves ...
  • Compartilhe:

25/01/2023 CORPO DE CRIANÇA QUE ESTAVA DESAPARECIDA É ENCONTRADO NO LOCAL DO ACIDENTE   O corpo de Sophia, criança que estava desaparecida após acidente próximo a Oliveira dos Brejinhos, foi encontrado no início da tarde desta quarta-feira. Segundo um familiar, a criança foi encontrada por um cão farejador. A mãe e a avó da criança precisaram ser hospitalizadas após a ...
  • Compartilhe:

24/01/2023 BARREIRAS: NOTA DE PESAR PELO FALECIMENTO DO SENHOR JUVENAL FERNANDES DE SENA Foi com profundo pesar que tomamos conhecimento do falecimento do senhor Juvenal Fernandes de Sena, aos 86 anos, ocorrido no último sábado (22/01), em Barreiras. O senhor Vena, como era carinhosamente conhecido, era pai do editor chefe do site Mural do Oeste, Roberto de Sena. Seu Vena foi funcion ...
  • Compartilhe:

24/01/2023 COMANDANTE DO EXÉRCITO SUSPENDE NOMEAÇÃO DE EX-ASSESSOR DE BOLSONARO PIVÔ DE CRISE O comandante do Exército, Tomás Paiva, decidiu suspender a nomeação do tenente-coronel Mauro Cid para o comando do 1º Batalhão de Ações de Comando, em Goiânia. A decisão foi tomada nesta terça-feira (24) após conversa entre Tomás e Cid. Segundo relatos feitos à reportagem, o ajudante d ...
  • Compartilhe:

24/01/2023 DEPUTADA JUSMARI APRESENTA MOÇÃO DE PESAR PELO FALECIMENTO DO SENHOR JUVENAL FERNANDES DE SENA A deputada que a esta subscreve, vem, nos termos regimentais, apresentar Moção de Pesar pelo falecimento do Senhor Juvenal Fernandes de Sena, ocorrida no sábado, 21 de janeiro de 2023 Seu Juvenal, ou VENA como era carinhosamente conhecido se destacou como mestre de obras da Prefeiturade Barreiras ...
  • Compartilhe:

24/01/2023 MAIS INFORMAÇÕES SOBRE ACIDENTE QUE DEIXOU UM CAMINHONEIRO MORTO, UMA CRIANÇA DE QUATRO ANOS DESAPARECIDA E DOIS FERIDOS Um acidente entre uma carreta que transportava bobinas e um caminhão carregado de bois deixou uma pessoa morta e duas feridas na BR-242, no trecho da Serra da Mangabeira, próximo a cidade de Oliveira dos Brejinhos, no oeste da Bahia. A batida aconteceu na segunda-feira (23). Conforme a Polícia Ro ...
  • Compartilhe:

24/01/2023 COM RECORDE DE VENDAS EM 2022, DISTRIBUIDORA LARCO SE PREPARA PARA O MERCADO DO FUTURO Mesmo com todas as incertezas do cenário econômico pós-pandemia, a Larco, empresa genuinamente baiana, fez de 2022 um ano excepcional, batendo seus próprios recordes e despontando em uma posição histórica em um dos principais rankings de empresas do país. Atualmente, a Larco ocupa o 1º luga ...
  • Compartilhe:

24/01/2023 FESTA DE SÃO SEBASTIÃO É REALIZADA COM LOUVOR E DEVOÇÃO, EM BARREIRINHAS Em Barreiras, a sexta-feira (20) foi dedicada às comemorações do Dia de São Sebastião, padroeiro do bairro Barreirinhas, com a Santa Missa presidida pelo Bispo Diocesano Dom Moacir Arantes. O tema central “Celebrando nosso Padroeiro São Sebastião, somos chamados a despertar o dom da vocaç ...
  • Compartilhe:

24/01/2023 HOMEM TENTA MATAR IRMÃ A GOLPES DE FACÃO EM BARREIRAS Ocorreu uma tentativa de homicídio no interior de uma residência no bairro Vila Brasil, na noite deste domingo, 22, na cidade de Barreiras, Oeste da Bahia. De acordo com informações de familiares, após uma discussão, o irmão atingiu golpes de facão contra a irmã, vindo a cortar a orelha e d ...
  • Compartilhe:

Publicidade

Publicidade