FLIB 2018: SÍNTESE BIOGRÁFICA DE MÁRCIA RASIA

16 de maio de 2018

 

Márcia Rasia Figueirêdo, natural de Bento Gonçalves RS, Capital Brasileira do vinho, da mãe Geni, Linha Eulália, do pai Ivalino, Monte Belo. È irmã de Herbert Richers Rasia, Mônica Genoveffa Rasia e Beckembaure Rasia.Seus avós são de origem italiana.

Cresceu feito cigana, infância em Minas Gerais, adolescência em Recife/ Pernambuco. Foi interna no Colégio das Damas em Recife, de frente com a Academia Pernambucana de Letras.Da sua janela, sempre um sonho de pertencer a uma Academia. Na época lia escondido Sartre e Simone de Beauvoir, Hermann Hesse, Marta Suplicy,Leonardo Boff, entre outros.A música Shy Moon e Bolero de Ravel. Iniciou jornalismo, na Faculdade Católica de Pernambuco, seu desejo e sua aproximação com a literatura.Muitos poemas.Muitos sonhos.Muitos amigos artistas.

Amadureceu ou quase amadureceu na Bahia. Sua terra do coração. Daqui o casamento com Ismail Figueiredo Filho e o nascimento dos filhos Ismail Figueiredo Neto e Hanna Rasia Figueiredo. Sua família Figueiredo, seu Neto Lucca Rasia Di Paula e seu genro Ygor Di Paula.

Daqui a formação em Pedagogia, incentivada por sua sogra Eudina Rocha Figueiredo; a professora de poesia por vários anos, concretizada no livro “Poesia de Criança para Criança” e participação “ Antologia Escritores Brasileiros e autores em língua Portuguesa”no Rio de Janeiro.

Formada também em Psicopedagogia, especialização em Planejamento e Gestão, Mestre em ciências da educação,

formação em Coaching e vários cursos em desenvolvimento de pessoas. Foi professora da UNEB durante quatro anos e atualmente é coordenadora pedagógica no Colégio Municipal Padre Vieira e professora substituta da Ufob nas disciplinas didática, currículo, avaliação e gestão. Recentemente assumiu a vice presidência do ISFAC – Instituto São Francisco de Arte e Cultura, além de colaborar como repórter e apresentadora do Programa Mandala Cultural da TV Câmara.

Expõe a maioria de seus poemas no site Recanto das Letras e no site Interpoética em Pernambuco.

“Agora o ingressar na Academia Barreirense de Letras, para alguns, algo simples, para mim, um convite, um deleite, uma estreia modesta, como diz o meu poeta preferido, ‘“ A alma não aceita ficar engaiolada”. Tem 51 anos com muito prazer, sem esconder as rugas que a vida nos traz de graça e sem pedir. Adora ler, ouvir música, tomar bons vinhos, fazer academia, escrever, aprender e dar aula.É escritora e poeta amadora.

  • Compartilhe:

Publicidade