A VERSÃO QUE CHEGOU AO MURAL SOBRE A REUNIÃO DO PREFEITO COM OS VEREADORES PARA REVOGAÇÃO DO CÓDIGO TRIBUTÁRIO

17 de fev de 2018

Roberto de Sena

Mural do Oeste

 

Neste sábado, 17, estou acompanhando pelas redes sociais o intenso debate sobre a reunião ocorrida nesta sexta-feira, 16, entre os vereadores e o prefeito de Barreiras, Zito Barbosa, para debater a revogação do Código Tributário. Muita gente dizendo que ouviu dizer que o prefeito foi irredutível e que rechaçou qualquer possibilidade de diálogo para revogar o Código.

Alto lá!

Isso não parece ser verdade.

Arriscaria dizer até que esta não é a verdade a menos que alguém me corrija com fatos e, se possível, fotos.

O Mural conversou com três vereadores que participaram da reunião e eles garantiram que o prefeito se mostrou aberto ao diálogo, sensível as demandas apresentadas e apenas solicitou que os edis aguardassem dois pareceres que serão dados pela CDL – Câmara de Dirigentes Lojistas – e pela OAB – Ordem dos Advogados do Brasil (Barreiras). e que, assim que estiver de posse destes dois documentos chamará os vereadores para uma nova reunião provavelmente nesta segunda-feira, 19,  quando uma decisão definitiva sobre o Código poderá ser tomada.

Não estou aqui defendendo o prefeito. Não se trata disso. Apenas busco retratar o que me foi dito por três vereadores que assinaram o documento, estão empenhados visceralmente na revogação do Código, estiveram presentes na reunião e são protagonistas neste episódio. Acredito que se tivesse sido diferente, se o prefeito não tivesse disposto a dialogar, os vereadores teriam relatado isso ainda que fosse em “of”. Que interesse os parlamentares teriam em esconder tal fato se eles já se expuseram no limite do possível, já deram a cara a tapa, já admitiram o erro?

Não vejo qualquer sentido nisso.

Além do mais é preciso pensar no seguinte: se o prefeito estivesse irredutível, se não quisesse conversa, vocês acham mesmo que  ele iria chamar os vereadores para dialogar?

Uma pinoia!

Ficaria calado, manteria distância e deixaria cada um fazer o que bem entendesse. Quando chamou para a conversa mostrou que entende as circunstâncias e a gravidade do problema e que queria ouvir as razões dos edis.

É este o meu raciocínio.  Se alguém tiver outra versão da reunião que me prove e darei a mão a palmatória

Repito: se assim não fosse o prefeito não teria tomado a iniciativa de convidar os vereadores para uma reunião.

Reafirmo: a versão que estou divulgando é a única que tenho e me foi passada por três vereadores que participaram da reunião.

Se algum dos edis  tiver outra versão diferente dessa,  é só me ligar que publicarei.

 

  • Compartilhe:

Publicidade